Gestão do transporte de cargas indivisíveis

Gestão do transporte
de Cargas Especiais

Aspectos Gerais
Requerendo a AET
Taxas e Tarifas
Planejando a operação

Lei da Balança
  Pesos e Dimensões Máximas
  Pesagem & Tolerâncias
  Peso dos Veículos de Carga
  Restrições Operacionais
  Restrição Feriados de 2003
  Cargas que Precisam de AET
  Conversão de Medidas
Restrições na cidade de São Paulo
As exceções por porte de veículo:
VLC
VUC
As exceções por serviço:
Acesso a estacionamento próprio
Coleta de lixo
Concretagem
Concretagem-bomba
Concretagem excepcional
Emergência
Entrega/Retirada de mercadoria
Feira-livre
Mudanças
Obras e serviços na via pública
Com interdição parcial ou total
Sem interdição
Remoção de terra/entulho etransporte de caçamba
Reportagem
Saneamento ambiental sem interdição da via pública
Socorro mecânico de emergência
Transporte de máquinas, equipamentos e materiais e construção
Transportes de produtos alimentares perecíveis
Transporte de produtos perigosos de consumo local
Transporte de Valores
Urgência
Infra-estrutura
  Mapa logístico do Brasil
  Malha Rodoviária do Brasil
  Editais das Concessões
  Concessionárias Paulistas
  Gestão da Infra-estrutura
  Distritos do DNER
  Postos de Pesagem em SP
  Distância entre Cidades
  Escala de Navios
  Marcos Quilométricos
Legislação
  Legislação do Transporte
  Código de Trânsito
  Resoluções do Contran
  Deliberações do Contran
  Fumaça Preta
  Licenciamento / IPVA
  Documentos Obrigatórios
  Equipamentos Obrigatórios
  Pára-choque
  Tacógrafo
  Infrações de Trânsito
  Multas & Recursos
  Escoltas
Pessoal
  Pisos Salariais
  Tabela Salários e Benefícios
  INSS
  Imposto de Renda
  Encargos Sociais
  Banco de Empregos
  Para fazer via Internet
  Legislação Trabalhista
  Câmaras de Conciliação
  Obrigações
  Contribuição Sindical 2002
Dados Estatísticos
  Perfil do TRC
  Divisão Modal
  Tonelagem Transportada
  Frota de Veículos
  Produção de Caminhões
  Roubo de Cargas
  Ameaças ao TRC
  Índice de Acidentes
  Empregos
  Receita do TRC
  Consumo de Pneus
  Base de Dados do Geipot
Lutas do Setor
  Diagnóstico do T.R.C.
  Disciplinamento do TRC
  Roubo de Cargas
  Custo com Pedágios
  Recuperação das Estradas
  Redução da Burocracia
  Formação de Pessoal
  Redução do nº de Acidentes
  Renovação da Frota
  Redução da Carga Tributária
  Tempo de Direção
  Lei Postal
  Custo do Seguro

· STJ conclui que assalto à mão armada exclui responsabilidade de transportadora  
27/11/2002
    No julgamento do Recurso Especial nº 329931, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou que o roubo de carga, num assalto à mão armada, constitui causa excludente da responsabilid...

· Roubo de carga na Argentina  
15/11/2002
    Motorista brasileiro que trafega pelas estradas da Argentina enfrenta o medo e o perigo de ser abordado e ter o caminhão e a carga levados por ladrões que adotaram no país vizinho a mesma prática que ...

· Roubo de cargas movimenta R$ 1 bilhão  
14/11/2002
    Mais uma vez uma das vertentes do roubo e desvio de cargas, que dá prejuízos de R$ 550 milhões por ano no País, foi desvendada com a prisão, em São José dos Campos (SP), de José Benedito Pereira, que ...

· Levantamento mostra que roubo de cargas está em queda em SP  
24/10/2002
    As ocorrências de roubo de cargas no estado de São Paulo estão em queda. Entre janeiro e setembro, elas sofreram uma redução média mensal de 5,31% em relação a igual período do ano passado, sendo que ...

· Estudo mostra estrutura do crime de Roubo de Cargas  
16/09/2002
    Os delitos de carga cresceram sistematicamente ao longo da década. Hoje, os criminosos possuem estruturas sofisticadas. São os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro os mais atingidos, certamente por...

· Metodologia e inteligência das organizações criminosas de roubo de cargas  
16/09/2002
    Uma das modalidades criminosas que mais prejuízo causam a economia das empresas transportadoras e do país, o furto, o roubo e desvio de carga. Estimado em 450 milhões de reais em 2001, preocupam os e...

· Cesa investe R$ 3,5 milhões em rastreamento de frota  
11/09/2002
    A Cesa Logística, empresa do grupo Cesa, conclui a implantação do sistema de rastreamento Autotrac em toda a frota, formada por veículos próprios, agregados e cativos - caminhões terceirizados que rea...

· CPI: policiais estão envolvidos com roubo de cargas no ES  
10/09/2002
    Pelo menos seis policiais civis estão envolvidos com o roubo de cargas no Espírito Santo. Foi o que revelou o deputado Robson Tuma (PFL/SP), logo após o enceramento do depoimento do comerciante Clevel...

· Carga: transportadoras evitam roubo  
12/09/2002
    As empresas de transporte de carga de São Paulo gastam entre 4% e 12% de seu faturamento com gerenciamento de risco para combater o roubo das cargas transportadas e de seus caminhões. Elas informam qu...

· O roubo de carga e os impostos  
12/09/2002
    A publicação de 04 de junho de 2002 do SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região, traz as seguintes informações:

de acordo com a CPMI - Comissão Parlamentar Mi...

· Tecnologia: agora ficou mais fácil falar  
29/08/2002
    Pamcary investe R$ 2,5 milhões em sistema que permite consulta sobre motoristas, veículos de carga e proprietários antes de cada viagem
Uma das maiores seguradoras do Brasil, a corretora paulista Pam...

· Roubo de cargas no Paraná diminui 22%  
29/08/2002
    O roubo de cargas no Paraná diminuiu 22% no primeiro semestre de 2002 em relação ao mesmo período do ano passado. Registraram-se 69 ocorrências de janeiro a junho de 2001, contra 54 nos primeiros seis...

· Prejuízo com roubo de cargas cresce 2,51%, mas ocorrências sofrem queda  
20/08/2002
    No primeiro semestre, foram registradas 1.239 ocorrências de roubo de cargas no estado de São Paulo (média mensal de 206,5), o representou um redução de 6,6% das ações deste tipo de crime em relação à...

· Opinião: Roubo de carga  
15/08/2002
    Poucos dias atrás, o coronel José Vicente da Silva Filho, especialista em segurança pública, deu uma declaração polêmica, mas que deve ser levada em conta. Segundo ele, a criminalidade só não sobe por...

· Roubo de Cargas: Ocorrências diminuem, mas prejuízos aumentam  
15/08/2002
    Pesquisa da Assessoria de Segurança do SETCESP mostra que de janeiro a junho de 2002 foram registrados, no Estado de São Paulo, 1.239 casos de roubos de cargas. Isto representa uma média mensal de 206...

· Aumento do diesel provocará elevação imediata dos fretes  
11/08/2002
    15,61% para lotações e 11,58% para carga fracionada.

A reunião do CONET, realizada ontem na sede da Associação Nacional do Transporte de Cargas - NTC, examinou o impacto dos reajustes de pre...

· Transportadores apresentam propostas para o combate ao roubo de cargas  
09/08/2002
    O Setcesp (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Região) distribuiu na quinta-feira (8), no 12º Fórum Paulista do Transporte, realizado no Palácio dos Transportes, em São Paulo, um document...

· Transportadoras combatem o crime por conta própria  
09/08/2002
    Para evitar os roubos de carga, modalidade de crime que aumentou 16% no ano passado no Estado, as transportadoras não esperam mais ações da Polícia e protegem-se como podem, investindo pesado em segur...

· O roubo de cargas e os impostos  
08/08/2002
    De acordo com a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), os prejuízos com roubo de carga evoluíram da seguinte forma. Em 1992, R$ 25 milhões; em 2000, R$ 500 milhões; em 2001, R$ 550 milhões. ...

· Opinião: o TRC precisa se unir para não morrer  
31/07/2002
    Nota de falecimento: notificamos a quem possa interessar o falecimento do Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil.
Causa da morte: os altos custos operacionais, a concorrência desleal, as más con...

· Braspress cria central de gerenciamento de riscos  
25/07/2002
    A empresa de encomendas urgentes Braspress, que atua no Distrito Federal, coloca em funcionamento em 1º de agosto uma central de gerenciamento de riscos para roubo de cargas. Segundo informações da em...

· Grupo de trabalho defende implementação de banco de dados sobre roubo de cargas  
18/07/2002
    Banco de dados sobre roubo de cargas, linhas de crédito para financiamento de equipamentos e redução da alíquota do imposto para a respectiva importação. Estas foram algumas das questões analisadas na...

· MJ inicia implantação de banco de dados sobre roubo de cargas  
08/07/2002
    O Ministério da Justiça pretende implantar até o final de agosto o banco de dados nacional sobre mercadorias roubadas ou furtadas em todos os estados do País. Os delegados especializados em roubo de c...

· Segundo pesquisa da CNT, 24% das empresas já foram assaltadas  
03/07/2002
    Quase um quarto das empresas (24,4%) registrou pelo menos um caso de roubo de cargas em 2001. Pouco menos da metade dos entrevistados (47,8%) declarou que sua empresa está adotando medidas de prevençã...

· Comissão aponta a existência de estruturas organizadas no roubo de cargas  
27/06/2002
    As audiências públicas e diligências feitas a vários estados brasileiros pela Comissão Mista Parlamentar de Inquérito do Roubo de Cargas estão mostrando que, no país, existem organizações criminosas e...

· Roubo de cargas nas estradas foi a tônica da Conferência da Aslog  
11/06/2002
    A Conferência da Aslog abordou em diversos aspectos, o agravamento do roubo de cargas nas rodovias do país e a influência disso na logística atual.
A tônica dominante durante a Conferência Anual da A...

· As alternativas para evitar roubo de cargas  
27/05/2002
    A crescente onda de violência que assola as estradas do País tem sido uma das preocupações de maior relevância para os empresários brasileiros ligados ao transporte rodoviário de carga e, também, para...

Diagnóstico do roubo de cargas

O Receptador

A crescente onda de violência que assola as estradas do País tem sido uma das preocupações de maior relevância para os empresários brasileiros ligados ao transporte rodoviário de carga e, também, para todos aqueles que direta ou indiretamente se utilizam deste segmento para exercer sua atividade econômica.
Infelizmente, caminhões assaltados são notícias freqüentes em jornais de todo o Brasil, onde os assaltos comuns em outros tempos estão sendo substituídos por roubos encomendados e minuciosamente planejados, chamados de roubos direcionados. Existem equipes responsáveis pelo planejamento do crime, outras pela emissão de notas fiscais falsas e, também, uma pessoa para efetuar o contato com o principal personagem de todo o processo, o receptador das mercadorias, que na maioria das vezes, tem empresa legalmente estabelecida para acobertar o verdadeiro desempenho criminoso.

O tratamento dispensado pelo Código Penal ao receptador não caracteriza dolo na atividade receptadora, ou seja, dificilmente se encontrará alguém cumprindo pena por receptação, assim como facilmente se obterá a revogação da eventual prisão, mediante pagamento de fiança. Desta feita, a punição atingirá, no máximo, ao autor do roubo, facilmente substituível para a garantia da continuidade da ação criminosa.

Situação atual

A ineficiência do Poder Público para combater este problema custa caro ao País, que perde receita de impostos pela comercialização irregular de mercadorias. O resultado de ações coordenadas e integradas entre a polícia e o fisco, com uma rígida fiscalização do comércio de mercadorias, é o principal meio para se coibir este delito.


No ano passado ocorreu um roubo de carga a cada duas horas, crescendo, em média, 30% ao ano. Caracterizado como a organização que mais tem avançado no País, com prejuízos financeiros que triplicaram desde 1994, onde atingiu a cifra de R$ 102 milhões de reais, saltando para R$ 374 milhões em 1999, o roubo de carga tem causado o fechamento de muitas empresas, inclusive transportadoras, que não tiveram condições de arcar com medidas e equipamentos de segurança para o transporte de suas cargas, que alcançam o percentual de 20% do custo do frete. No mesmo período, as ocorrências praticamente duplicaram em todo o Brasil, passando de 2.566 para 4.967, ou seja, um crescimento de cerca de 93,6%.

Fonte: Pamcary e O Estado de São Paulo

As cargas mais visadas são as de fácil escoamento no varejo e de difícil reconhecimento de fontes de origem. Dentre elas, os produtos alimentícios são os que mais se destacam com 448 ocorrências registradas por segmento em 1999, seguidos dos cigarros (280), cargas fracionadas (150), confecções e têxteis (149) e eletroeletrônicos (142). Em termos de prejuízos acumulados no mesmo período, eles representaram R$ 73,5 milhões.
O percentual de registros nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo chegam a 80% dos casos de todo o País e já chegou a deter 90% dos casos, tendo como a Via Anhanguera a rodovia de maior incidência, seguida pela Via Presidente Dutra e Castelo Branco.


No Nordeste, Sul e Centro-Oeste, o roubo de carga cresceu, de 1998 para 1999, 20%, 22,6% e 86% respectivamente. Em algumas áreas de produção agrícola do Mato Grosso, norte do Paraná e interior de São Paulo, os produtos químicos levados para as lavouras são alvos de grande peso para as estatísticas alarmantes do segmento de transporte de carga.
A
realização dos assaltos ocorrem em 59% nas rodovias federais e 41% em rodovias estaduais. Os horários preferenciais dos ladrões são no período matutino (42%), entre 8:00 e 11:00 hs, quando as transportadoras fazem a maioria das entregas. Os períodos vespertino e norturno correspondem, respectivamente, a 36% e 22%. Já os dias de maior incidência são, primeiramente, quartas-feiras, seguido das terças e quintas-feiras.


As Seguradoras e os Transportadores

Os prejuízos não se resumem apenas ao valor das mercadorias roubadas e dos veículos. À estas perdas devem ser somados, conforme mencionado anteriormente, os prejuízos das empresas transportadoras de carga que, na tentativa de evitar o roubo de seus produtos, gastam com gerenciamento de risco 20% do custo do frete, o qual encontra-se 44,03% abaixo do ideal para cobrir suas despesas que, conseqüentemente, reduz a possibilidade de renovação da frota e, também, a segurança dos veículos. Os gastos relativos à proteção das cargas estão entre os que mais contribuíram para a defasagem do frete.
Diante do caos em que se encontra esse segmento do setor de transporte brasileiro composto por um universo de 35 mil empresas e 310 mil transportadores autônomos e gera 3 milhões de empregos, e observado o aspecto de relevância dessa atividade, as seguradoras estão evitando cada vez mais fazer seguro de cargas, restringindo algumas mercadorias consideradas de altíssimo risco devido ao grande índice de sinistro, e quando o fazem, exigem que o caminhão tenha os equipamentos de rastreamento por satélite e escolta particular. Ao fazer uma apólice do seguro, o transportador arca com uma franquia de 25% do valor da carga e, dependendo da mercadoria e do trajeto, esse percentual vai para 30%.
Das 130 seguradoras existente no País, apenas seis fazem seguro de cargas contra roubos. Alegam que 52% dos prêmios da carteira de transportes foram consumidos com indenizações o que caracteriza como um índice alto demais para que possam continuar atuando nesse segmento. Cerca de R$ 200 milhões foram pagos às transportadoras e às empresas vítimas de ladrões de cargas, o que contribuiu para que o valor do prêmio das seguradoras aumentasse, em média, 20%.
Soma-se à esses fatos, uma questão que influencia diretamente e de forma indesejável sobre a qualidade de vida da nossa população, as vítimas do roubo de cargas, que torna-se ponto fundamental para se envidar esforços para eliminar esse problema.
Com a finalidade de proteger suas mercadorias, algumas empresas estão adotando medidas de precaução como a distribuição das mercadorias em numero maior de caminhões, de forma a evitar a concentração de grandes valores em um só veículos ou misturando-as com mercadorias menos valiosas e, também, orientando seus motoristas a ligarem para o Disque Denúncia imediatamente após a ocorrência do delito para que a rapidez e a precisão dessas informações contribuam para a eficácia no rastreamento da carga e no combate ao roubo.

CPI do Roubo de Carga

Diante de todas essas questões levantadas e da necessidade de se encontrar soluções para eliminar esse problema que aflige não somente o setor de transporte, mas a população e toda economia do Brasil, torna-se imperiosa a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI, que apure, com a seriedade rogada pela relevância do tema, os esquemas de roubo, receptação e comercialização de carga de forma a criar condições necessárias para a condenação, com o máximo rigor da Lei, os componentes das quadrilhas que vem agindo indiscriminadamente, causando medo e insegurança aos transportadores de carga de todo o País.
O
utro fator de grande peso para a instalação da supracitada CPI é a ligação do tráfico de drogas com o roubo de cargas, quando mercadorias e o próprio caminhão servem de moeda com o narcotráfico, inclusive em outros países. Um exemplo desta relação encontra-se no Nordeste: traficantes pagam R$ 100 a pequenos lavradores para transportarem um saco de maconha até o ponto de embarque, geralmente às margens das rodovias tronco e vicinais. A mercadoria é recolhida por envolvidos no esquema e distribuídas em pontos de escoamento da droga espalhados por todo o país.
A Associação Brasileira dos Transportadores de Carga – ABTC, engajada na missão de zelar e preservar pela imagem pública do transporte de cargas de forma a promover o desenvolvimento e defender os interesses do setor, tem como uma das diretrizes básicas de sustentação o apoio à CPI do Roubo de Carga, que investigará, pelo menos, os seguintes pontos:

  • O FALSO ROUBO: ocorre quando o caminhoneiro simula um assalto, desviando do trajeto da carga e, em seguida, a entrega para um receptador. Ambos recebem um percentual do valor da mercadoria desviada, constante na nota fiscal. O caminhoneiro faz a ocorrência na delegacia mentindo sobre o fato. Em alguns casos, a transportadora é a mentora do falso roubo com a finalidade de obter o valor do seguro e também, lucrar com a revenda do produto desviado;

  • FALSOS POLICIAIS: homens vestidos com fardas da Polícia Rodoviária Federal e coletes da Polícia Civil encenam uma blitz e realizam o assalto; em alguns casos, os bandidos agem em barreiras fiscais, onde os caminhoneiros são obrigados a parar para carimbar a nota fiscal da carga, que após ser identificada, é informada por telefone ao grupo de assalto, que já em locais determinados na estrada aguardam o caminhão para efetuar o roubo;

  • EXTORSÃO: após investigação do roubo, policiais passam a extorquir os criminosos ou receptadores;

  • ENVOLVIMENTO DE POLICIAIS: após acidente ou qualquer problema que impossibilite o caminhoneiro de prosseguir a viagem com sua carga, o caminhão é levado, a reboque, ao o Posto da Polícia Rodoviária, para posteriormente ser entregue à empresa responsável. Os policiais retiram a carga e relatam no Boletim de Ocorrência que a mesma havia sido saqueada por pessoas residentes nas proximidades, quando o caminhão sofreu o acidente;

  • CAMINHÃO EM DÍVIDA: uma pessoa compra um caminhão e não tem condições de pagá-lo, o que acarreta em atraso nas prestações e, conseqüentemente, solicitação de busca e apreensão do bem na Justiça. Antes disso ocorrer, o dono do veículo paga uma pessoa para levar o veículo para o Exterior, geralmente o Paraguai, vendê-lo e posteriormente, registrar a queixa de que fora roubado com a finalidade de se eximir do pagamento das prestações, que são cobertas pelo seguro e, também, lucrar com a venda ilícita;

  • REMÉDIOS VENCIDOS: no cumprimento da Lei, os laboratórios recolhem os medicamentos vencidos nas farmácias de todo o país e simulam um roubo com a finalidade de receber o seguro da carga e obter lucro com uma mercadoria sem valor comercial. Em outra situação, medicamentos roubados, em condições normais de uso, quando acondicionados e transportados inadequadamente, compromete a qualidade do produto, principalmente devido ao prazo de validade e, conseqüentemente, provocam danos à saúde da população;

  • ENVOLVIMENTO DE SUPERMERCADOS: com a finalidade de reduzir custos e garantir uma boa imagem junto aos administradores do estabelecimento, gerentes de grandes supermercados compram mercadorias roubadas a preços inferiores praticados no mercado atacadista e as disponibilizam nas prateleiras com valores abaixo da concorrência.   

Considerações Finais

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Vox Populi e a Confederação Nacional do Transporte – CNT, em janeiro de 2000, ratificou a necessidade de se implantar, com a maior brevidade, uma Comissão Parlamentar de Inquérito do roubo de cargas com vistas a apurar as irregularidades que inibem o desenvolvimento do País e contribuem significativamente para o chamado "Custo Brasil". A CPI é apoiada por 72% dos entrevistados que consideram de fundamental importância o resgate da dignidade, da segurança, da confiança e do bem-estar dos brasileiros.
H
á que se considerar, também, os benefícios econômicos advindos da eliminação do roubo de cargas, dentre os quais podemos citar:

  • Eliminação dos prejuízos financeiros causados às empresas e, conseqüentemente, ao País;

  • Redução dos custos médicos e processuais por óbito ou invalidez dos motoristas;

  • Redução dos custos de fiscalização;

  • Redução dos custos das apólices de seguros, e;

  • Redução dos custos operacionais de segurança das empresas.

Diante todos os problemas aqui relacionados, é imperativo que medidas urgentes de combate ao roubo de cargas sejam adotadas. A criação de um ambiente seguro beneficiará toda a sociedade e criará uma melhor imagem do nosso País junto à comunidade internacional, atraindo investimentos estrangeiros e contribuindo para o desenvolvimento da nossa Nação.

Fonte: site da ABTC

Copyright © 2000 Guia do Transportador Rodoviário de Cargas. Todos os direitos reservados.
Tel: (11) 38854669 - Email: guiadotrc@guiadotrc.com.br
Alameda Lorena - CEP: 01402-002 - São Paulo - SP