16/06/2016
Energia eólica: implantação de parques ameaçados

A restrição de peso em pontes e viadutos nas principais rodovias federais do estado da Bahia põe em risco a continuidade de construção de diversos parques eólicos em estados da região Nordeste.

O problema ocorre nas BRs 101, 116, 324 e 407 e afeta principalmente o transporte do componente conhecido como nacele que é um compartimento instalado no alto da torre dos aero geradores eólicos, que abriga todos os componentes essenciais para a produção de energia e começou a ser sentido acerca de 15 dias pelas transportadoras, depois que a área de engenharia da Superintendência do DNIT, na Bahia começou a negar viabilidade a todos os transportes com PBT acima de 74 toneladas.

Como as naceles apresentam só de peso líquido entre 80 e 100 toneladas, o PBT do conjunto transportador chega a valores próximos de 120 toneladas, o que tem determinado, sob a alegação de que algumas pontes e viadutos apresentam-se em estado crítico de manutenção e conservação, a decretação da inviabilidade do transporte dessas cargas.

Essa medida foi recebida com surpresa pelas diversas transportadoras envolvidas com o transporte desse tipo de carga, porque pode, por falta de alternativas, ameaçar a continuidade da construção de diversos parques eólicos e, ao mesmo tempo, aprofundar a crise vivida pelo setor de transportes especiais, que opera com menos de 30% da capacidade instalada, já teve que demitir mais de 40% da mão de obra especializada e teme pela sobrevivência da maioria das empresas.

O problema já foi levado à diretoria de infraestrutura e à coordenação geral de operações do DNIT, informa João Batista Dominici, vice-presidente executivo do Sindipesa, entidade que representa as empresas de transporte de cargas especiais.

“Estamos aguardando uma posição do DNIT no sentido de rapidamente restabelecer o fluxo dessas cargas, através das rodovias federais da Bahia, uma vez que acreditamos que boa parte das obras ora inviabilizadas para o transporte dessas cargas, que continuam liberadas para o tráfego de veículos pesados, também apresentam condições estruturais para o transporte das naceles e demais cargas especiais”, conclui Dominici.

Fonte: Redação do Sindipesa
Leia mais:
Medidas repercutem mal e caminhoneiros já marcam nova greve
(nova) Tabela de frete está construída de forma muito técnica, diz ministro
Governo acena com criação de documento eletrônico para caminhoneiro
Ações públicas milionárias, por causa de excesso de peso no transporte de cargas, tira o sono de Embarcadores.
Frete retorno: o que é como deve ser cobrado
Em live, Bolsonaro sinaliza mais medidas para caminhoneiros
Obtenção de AET continua sendo um desafio para quem transporta carga excedente no RS
Com aplicativos de frete, caminhoneiro perdeu poder de barganha
Ex-empregado perde ação e terá de pagar R$ 750 mil à empresa que trabalhava
Polícia Rodoviária Federal restringe tráfego de caminhões nos feriados