11/05/2016
Não quer ter multa por excesso de peso no entre-eixo? Use a carreta certa para o cavalo certo, por Rubem Penteado de Mello*

É prática comum no mercado a utilização de carreta fabricada para um determinado tipo de caminhão trator, engatada em outro tipo de cavalo-mecânico, como os veículos de tração são mais conhecidos.

Consequência disso são problemas, mais comuns do que parece, de distribuição de peso.

Quando questiono motoristas e empresários sobre essa questão, a resposta é sempre a mesma: “essa carreta tem duas posições de pino-rei e engata em qualquer tipo de caminhão-trator

Rebato dizendo: ”pode até engatar, mas não distribuirá o peso corretamente

Depois aparecem as multas por excesso no entre-eixo, e não conseguem entender o porque.

Mas por que isso acontece?

A carreta para cavalo “toco” (4x2) tem o balanço traseiro maior (destaque na figura abaixo), porque precisa transferir menos peso para o trator. O “rabo” dela é mais longo.

A carreta para cavalo “LS” (6x2 ou “trucado”) tem o balanço traseiro menor, porque precisa transferir mais peso para o trator. Por isso a suspensão é mais “traseira”. Ou seja, o “rabo” dela é mais curto.

Algumas fábricas de carretas deixam a suspensão na posição intermediária e classificam como “carretas multiuso”. Na verdade não estão corretas nem para um nem para outro tipo de trator.

Para ser “multiuso” de fato, alem de trocar o pino-rei de posição, seria necessário deslocar a suspensão de uma posição para outra. Em outros países isso é comum e a suspensão chama-se “sliding” ou deslizante. Mas no Brasil não temos esse modelo.

Por isso, para uso da lotação máxima: carreta fabricada para cavalo 4x2, só deve engatar em cavalo 4x2. E carreta para cavalo 6x2 só deve engatar em cavalo 6x2.

Observem no conjunto da foto abaixo:

O cavalo-mecânico é do tipo 6x2 (3 eixos), mas a carreta é para cavalo 4x2 (toco), facilmente observado pelo tamanho do balanço traseiro.

Se o embarcador desavisadamente carregar esse conjunto com a Lotação máxima para o PBTC do  conjunto normal de 6 eixos (ou seja, 48.500 kg de Peso Bruto), ocorrerá excesso nos eixos da carreta (e falta de carga no trator). Pode até engatar, mas tem que re-adequar a distribuição da carga.

Por isso: atenção a esse pequeno “detalhe”.

*Rubem de Mello - Engenheiro Mecânico com pós-graduação em engenharia de produção e mestrado em engenharia mecânica. Foi engenheiro projetista da Bernard Krone do Brasil (fabricante de semi-reboques e da Ford New Holland (fabricante de máquinas agrícolas). Atuou ainda como engenheiro industrial, gerente de produto e atualmente é diretor, responsável pela área da qualidade nos serviços de inspeção de segurança de veículos sinistrados e alterados e inspeção de veículos que transportam produtos perigosos na Transtech Ivesur Brasil Ltda. Foi vencedor do Prêmio Volvo de Segurança no Trânsito de 1996.

Fonte: O autor
Leia mais:
10 mudanças tributárias que você precisa conhecer em 2018
Marco regulatório volta a permitir tração 6×2 para bitrens
Texto do Marco Regulatório do TRC aprovado na Câmara reduz burocracia e custos para transporte e trânsito de veículos com peso e dimensões excedentes
Contribuição Sindical Patronal – Minha empresa é obrigada a pagar em 2018?
DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO PARA O SEGMENTO DE TRANSPORTES
Trânsito em rodovias federais: caminhões terão circulação restrita em 23 dias de 2018
DER-SP reajusta valores de serviços para concessão de AET
Preço do Frete no Transporte Rodoviário de Cargas
Comunicado do DNIT, no SIAET, veta concessão de AET anual para cargas com excesso lateral
Deliberação do Contran adia para 2019 exigência relacionada às placas de sinalização dos veículos.




Quem somos

O Guia do Transportador ou, abreviadamente, GUIADOTRC é um Portal especializado na geração de informação, conteúdo técnico e prestação de serviços, inclusive de consultoria, para as pessoas e empresas que atuam na indústria de transportes e logística.

A produção do extenso e abrangente conteúdo técnico é resultado do trabalho coletivo de um grupo de especialistas atuantes em empresas de transportes, universidades, governo e associações de classe, o que garante a confiabilidade, simplicidade e praticidade na consulta e uso das informações disponibilizadas

Atuamos ainda no desenvolvemos de softwares e através da Central de Custos e Formação de Preços de Transportes fazemos pesquisa de Preço de Insumos, elaboramos Planilhas de Cálculo de Custos Operacionais e Tabelas de Frete, assim como índices para atualização de preço dos serviços de Transporte de Carga e de Passageiros.