QUEM SOMOS
LEGISLAÇÃO
PRODUTOS A VENDA
SERVIÇOS
  - Resoluções do Contran
  - Portarias do Denatran
  - RNTRC - ANTT
  - Vale Pedágio
  - Legislação do TRC
  - Transporte de Cargas Especiais
  - Transporte de Cargas Perigosas
  - Trânsito de CVC's (rodotrem)
  - Transporte de Toras
  - Transporte de Produtos Perecíveis
  - Transporte de Produtos Controlados
  - Transporte de Contêineres
  - Transporte Internacional
  - Transporte de Veículos 0 KM
  - Trânsito Aduaneiro - EADI's
  - Veículo com dimensões excedentes
  - Seguros Obrigatórios
  - Livros de logística e transporte
  - VídeoCursos
  - Software para Obtenção de AET
  - Software de Custeio de Frete
  - Revista Mundo Logística
  - Revista Crane Brasil
 - Conteúdo do Portal
 - Notícias e Clipping
 - Central de Tabelas de Frete
 - Cursos e Treinamentos
 - Cursos In Company
 - Dimensionamento de Frotas
 - AET para cargas de projeto
 - Viabilização de cargas de projeto
 - Consultoria para obtenção de AET
 - Estudos de Rigging
 - Consultoria fiscal e contábil
 - Desenvolvimento de Softwares
 - Fale Conosco

Menu...
CENTRAL DE TABELAS DE FRETES
Tabelas Referenciais de Frete
Indicadores - INCT
Frete Peso
Frete Valor
Taxas e Generalidades
Diárias
CAMINHÃO & TRANSPORTE
Requisitos para o T.R.C. no Brasil
Legislação do T.R.C.
Cargas que precisam AET
Índice remissivo do Código Antigo
Artigos do CTB referentes ao TRC
Resoluções Contran Aplicáveis
Pesos e Dimensões Máximas
Pesagem & Tolerâncias
Incorporação da Tolerância
O que é VUC e VLC
Peso e Capacidade dos Caminhões
Peso dos Caminhões - DNIT
Peso dos Caminhões - DER/SP
Entenda o que é CRLV
Classe dos Veículos de Carga
Veículo de Carga _ Terminologia
Especializações e Tipos de Carga
Documentos Obrigatórios
Equipamentos Obrigatórios
Restrições Operacionais
Siglas nos Caminhões
Caminhões Fabricados no Brasil
IMPOSTOS SOBRE O TRANSPORTE
ICMS no Estado de São Paulo
IR; PIS; COFINS; CSLL
Retenções Frete Carreteiro
O que é melhor para o carreteiro: PJ ou PF
Encargos Sociais no TRC
Documentos Fiscais no TRC
Procedimentos fiscais
PEDÁGIOS
Tarifas de Pedágio em São Paulo
Calcule o Gasto com Pedágio
Números da Concessão no Brasil
Evolução das Tarifas de Pedágio
Vale-Pedágio
Tarifas de Pedágio na Argentina
Tarifas de Pedágio no Uruguai
Tarifas de Pedágio no Chile
INFRAÇÃO DOS CAMINHÕES
Por Excesso de Peso
Por Excesso de Fumaça
Com CMT inferior ao PBTC
Falta de Documentação
Falta de Equipamento Obrigatório
Problemas com Tacógrafo
Por falta de porte de AET
Como Recorrer de uma Multa
CAMINHÕES NO MERCOSUL
Pesos e Dimensões na Argentina
Cargas Especiais na Argentina
Req. trânsito de caminhões
O que é ITV
Empresas Credenciadas - CITV
CRT/MIC/DTA
Resolução GMC nº 75/1997
Instrução DPRF nº 12/2002
Deliberação 35 do Contran
Portaria DENATRAN/DPRF Nº 47
CAMINHÕES EM SÃO PAULO
Restrições aos Caminhões - Brasil
Restrição aos Caminhões em SP
Carga e Descarga
Cargas Perigosas
Legislação das Caçambas
Legislação do Motofrete
PRODUTOS PERIGOSOS
Guia do transporte de P.P.
O que é produto perigoso
Legislação - Competência
Normas da ABNT Exigidas
Licenças, Registros e AET's
Despachantes especializados
Documentos necessários
O que é Número de Risco
Classificação de Risco
Sinalização dos Veículos
Tab. de Produtos Perigosos
Tipos de Infração
Transp. de Resíduos Sólidos
Produtos Nucleares
NR-6 - EPI's
Estatística de Acidentes
Perguntas mais Frequentes
TRANSPORTE MULTIMODAL
O que é Multimodalidade
Legislação do OTM
Entraves ao OTM no Brasil
Registro de OTM
Emp. habilitadas como OTM
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA
Cargas Indivisíveis e Excedentes
Transporte de Produtos Perigosos
Transporte cargas internacionais
Transporte de Toras
Transporte de cargas perecíveis
Transporte Produtos Controlados
Transporte Produtos Siderúrgicos
Transporte de Veículos
Caminhões Excedentes
Trânsito Aduaneiro
Estatísticas sobre Transporte
ESTATÍSTICA E DADOS DO TRC
Resumo estatístico transportes
Indicadores do Transp. Rodoviário
Indicadores do Transp. Ferroviário
O Brasil sobre rodas - Rev. Exame
Números do Transp. de Cargas
Ranking Transportadoras
Ranking Locadoras de Guindastes
Ranking Operadores Logísticos
Ranking Corretoras e Seguradoras
Prêmio melhores Transportadoras
Prêmio melhores Operadores
Custos Logísticos no Brasil
Frota de Caminhões - RNTRC
Frota de Caminhões - Denatran
Frota de Transporte
Perdas com Acidentes de Trânsito
Perfil de Venda de Caminhões
Indústria de Pneus
Infra-estrutura de transportes
Perfil do TRC
Matriz do Transporte de Cargas
Roubo de Cargas
Impacto do estado das rodovias
Competitividade global da infraestrutura brasileira
Estatísticas do transporte brasileiro
Transporte Rodoviário: toneladas/kilômetro transportadas por terceiros entre estados
Cargas mais movimentadas







Caminhões: o que dizem as siglas

As designações 1938S, 35.10, 17.210, FH12, 9800, 124 L 420, 7500, são utilizadas pelos carreteiros para identificar o tipo de caminhão que possuem, porém, muitos motoristas ainda têm dúvida em relação ao real significado desses números e letras estampados nas laterais e frente da cabine. Cada montadora segue um padrão para identificar os seus veículos, umas se preocupam em informar apenas o peso bruto total, outras complementam informando a potência do motor, o tipo de cabina etc.

A Volvo possui as linhas NH, FH e FM e as letras identificam o tipo de cabine. A sigla N identifica os caminhões bicudos da marca, já a F, os cara chata. As letras H e M dizem respeito a característica das cabinas. Assim, os veículos com a sigla H possuem cabinas altas, que proporcionam maior espaço interno para o carreteiro, mas que podem ser encontrados nas versões com cabina baixa, curta (sem cama) e leito (com cama). A sigla M identifica as cabinas com altura média, ou seja, a altura do piso da cabina está abaixo do motor. O número que está localizado ao lado das letras, corresponde a litragem do motor.

A série 4 da Scania possui novas especificações de produtos que se baseiam em quatro classes de veículos, sendo que cada uma delas atende aos requisitos especiais de diversos setores do transporte. A classe L é destinada ao transporte de longa distância; a D são para curtas e médias distâncias e entre vários pontos; o C para os serviços mais árduos e a G são caminhões mais resistentes para os serviços difíceis, realizados em centros urbanos e locais afastados. Os três tipos de cabinas são diferenciados pelas letras P (cara chata e cabina baixa); R (cara chata e cabina alta) e T (bicudo). Os caminhões são identificados por um número de três dígitos, sendo os dois primeiros correspondentes as cilindradas do motor e o terceiro a fase de desenvolvimento. O número localizado do lado esquerdo da cabina informa a potência do motor.

O significado da nomenclatura dos caminhões International é padrão para as três linhas da marca: 4700, 4900 e 9800.

Exemplos de Siglas
Agrale 6000 RD
6000 = PBT 6T
RD = Rodado Simples

Iveco Euro Cargo 160 E 21
160 = PBT 16 T
E = Cabine Euro
21 = Refere-se aos 250 cv do motor

Scanea P 114 (4x2) - 330 cv
P = Cara chata
11 = 11 Cilíndros
4 = Série 4

Ford F 12000
12000 = PBT 12T

Ford C 815
8 = PBT 8 T
15 = Refere-se aos 150 cv DE potência do motor

Volvo FH 12 380 4x2
F = Cara chata
H = Cabine alta
12 = Refere-se ao 12 litros do motor
380 = Potência do motor
Mercedes-Benz 1215 C
12 = PBT 12 T
15 = Refere-se aos 12 cv do motor
C = Circulação urbana
Volkswagen 8-120
8 = PBT 8 T
120 = Refere-se aos 120 cv do motor

A identificação de cada veículo é feita pelo número da série do produto, seguida do Peso Bruto Total ou Peso Bruto Total Combinado, ao lado a letra E que indica que o motor é eletrônico e por fim a potência do motor.

A Agrale, que possui a linha 6000, 7000, 7500 e 8500, identifica na cabina do caminhão o valor aproximado do Peso Bruto Total dos Veículos. A linha 6000 tem as versões RS (rodado simples) e RD (rodado duplo). A sigla TX, encontrada nos primeiros caminhões da marca e que não são mais fabricados, é uma homenagem ao presidente da empresa, Francisco Stedile, e significa “Tio Xico”. Já a sigla MA, (dos chassis MA 7.5 e 8.5), significa que o motor é avançado.

Os caminhões Mercedes Benz são classificados em cinco segmentos: leve, médio, semipesado, pesado e extrapesado. Os modelos para circulação urbana são identificados com a letra C. Para identificar o tipo de motor do caminhão a montadora utiliza a sigla S, que pode ser um cavalo mecânico ou eletrônico. Os veículos eletrônicos são identificados com as letras EL. Os dois primeiros algarismos que aparecem na cabina do caminhão informam ao cliente o Peso Bruto Total e os dois últimos a potência do motor.

A nomenclatura dos produtos da Volkswagen Caminhões e Ônibus, também identifica o Peso Bruto Total do veículo e a potência do motor. A identificação é padrão para todos os segmentos e é aplicada inclusive para a linha de ônibus da empresa. O mesmo procedimento é adotado pela Ford, no caso da linha Cargo, já que a linha F indica apenas o PBT. A Iveco, por sua vez, faz referência ao PBT, ao tipo de cabine e a potência do motor. Assim, os veículos de sigla E possuem cabina Euro e os T (Tractor) são equipados com quinta roda.

Fonte: Revista o Carreteiro