Gestão do transporte de cargas indivisíveis

Gestão do transporte
de Cargas Especiais

Aspectos Gerais
Requerendo a AET
Taxas e Tarifas
Planejando a operação

Lei da Balança
  Pesos e Dimensões Máximas
  Pesagem & Tolerâncias
  Peso dos Veículos de Carga
  Restrições Operacionais
  Restrição Feriados de 2003
  Cargas que Precisam de AET
  Conversão de Medidas
Restrições na cidade de São Paulo
As exceções por porte de veículo:
VLC
VUC
As exceções por serviço:
Acesso a estacionamento próprio
Coleta de lixo
Concretagem
Concretagem-bomba
Concretagem excepcional
Emergência
Entrega/Retirada de mercadoria
Feira-livre
Mudanças
Obras e serviços na via pública
Com interdição parcial ou total
Sem interdição
Remoção de terra/entulho etransporte de caçamba
Reportagem
Saneamento ambiental sem interdição da via pública
Socorro mecânico de emergência
Transporte de máquinas, equipamentos e materiais e construção
Transportes de produtos alimentares perecíveis
Transporte de produtos perigosos de consumo local
Transporte de Valores
Urgência
Infra-estrutura
  Mapa logístico do Brasil
  Malha Rodoviária do Brasil
  Editais das Concessões
  Concessionárias Paulistas
  Gestão da Infra-estrutura
  Distritos do DNER
  Postos de Pesagem em SP
  Distância entre Cidades
  Escala de Navios
  Marcos Quilométricos
Legislação
  Legislação do Transporte
  Código de Trânsito
  Resoluções do Contran
  Deliberações do Contran
  Fumaça Preta
  Licenciamento / IPVA
  Documentos Obrigatórios
  Equipamentos Obrigatórios
  Pára-choque
  Tacógrafo
  Infrações de Trânsito
  Multas & Recursos
  Escoltas
Pessoal
  Pisos Salariais
  Tabela Salários e Benefícios
  INSS
  Imposto de Renda
  Encargos Sociais
  Banco de Empregos
  Para fazer via Internet
  Legislação Trabalhista
  Câmaras de Conciliação
  Obrigações
  Contribuição Sindical 2002
Dados Estatísticos
  Perfil do TRC
  Divisão Modal
  Tonelagem Transportada
  Frota de Veículos
  Produção de Caminhões
  Roubo de Cargas
  Ameaças ao TRC
  Índice de Acidentes
  Empregos
  Receita do TRC
  Consumo de Pneus
  Base de Dados do Geipot
Lutas do Setor
  Diagnóstico do T.R.C.
  Disciplinamento do TRC
  Roubo de Cargas
  Custo com Pedágios
  Recuperação das Estradas
  Redução da Burocracia
  Formação de Pessoal
  Redução do nº de Acidentes
  Renovação da Frota
  Redução da Carga Tributária
  Tempo de Direção
  Lei Postal
  Custo do Seguro



Trânsito Aduaneiro

Considerações Gerais

As mercadorias importadas através do Porto de Santos podem ficar armazenadas em um dos recintos alfandegados situados na jurisdição da Alfândega do Porto de Santos ou, sendo da conveniência do importador, podem ser removidas, através do regime especial de trânsito aduaneiro, para um recinto alfandegado mais próximo da empresa importadora, situado em cidades do interior do Estado de São Paulo, ou mesmo em outros Estados.

Para o deferimento da operação de trânsito aduaneiro, o interessado deve apresentar à Alfândega a declaração de trânsito aduaneiro (DTA), que, à exceção da modalidade de trânsito simplificado, somente será registrada após a carga ter sido descarregada e armazenada em recinto alfandegado.

TRÂNSITO ADUANEIRO SIMPLIFICADO

O importador, sendo de seu interesse, pode se utilizar do regime de trânsito aduaneiro simplificado. Neste caso, o documento que ampara o regime ¾ a declaração de trânsito aduaneiro simplificado (DTA-S) ¾ deve ser registrada antes da atracação do navio, com antecedência mínima de dois dias úteis, tendo a Alfândega o prazo de 24 horas para a análise da documentação.

Tratando-se de regime cujo despacho tem trâmite célere e preferencial, o desembaraço para trânsito simplificado e a retirada da carga pelo interessado devem ocorrer, no máximo, até as 17 horas do dia subsequente ao da entrada da carga no recinto alfandegado.

O regime de trânsito simplificado somente é admitido para as cargas depositadas em recintos alfandegados de zona primária, não sendo admitido para as depositadas nas Estações Aduaneiras Interiores (EADI).

TRANSPORTE DAS MERCADORIAS EM TRÂNSITO

As mercadorias objeto do regime especial de trânsito aduaneiro somente podem ser transportadas por empresas transportadoras previamente habilitadas pela Secretaria da Receita Federal.

PARA EVITAR PROBLEMAS NO TRÂNSITO ADUANEIRO

Além dos cuidados na constituição do representante legal também é necessário ter o máximo zelo na contratação do transportador, uma vez que, na operação de trânsito aduaneiro, o beneficiário responde solidariamente por todas as obrigações tributárias decorrentes da operação.

Não é concedido trânsito aduaneiro após o transcurso do prazo para abandono das mercadorias (90 ou 120 dias, conforme a mercadoria esteja em recinto alfandegado de zona primária ou secundária, respectivamente).

O peso constante do conhecimento de transporte (BL) deve ser o mais próximo possível do real, visto que divergências relevantes podem levar ao indeferimento do trânsito em razão da possibilidade de extravio ou acréscimo de carga.

A numeração dos contêineres e dos respectivos lacres de origem devem corresponder àqueles constantes da documentação apresentada.

Quando for constatado pelo depositário avaria da carga, o trânsito só pode ter prosseguimento após a realização da vistoria aduaneira ou, alternativamente, e desde que não se trate de trânsito internacional de passagem, mediante a sua desistência pelo beneficiário que, com isso, assume todos os ônus daí decorrentes.

Embora a descrição da mercadoria na DTA possa ser genérica, deve ser suficiente para permitir a sua identificação pela fiscalização, sob pena de se caracterizar falsa declaração de conteúdo.

A aplicação do regime de trânsito aduaneiro fica condicionada à liberação por outros órgãos da Administração Pública, quando se tratar de mercadorias sujeita ao seu controle.

A DTA deve cobrir a totalidade dos volumes constantes do conhecimento de transporte (BL). Assim, deve-se evitar o embarque de muitos contêineres amparados por um único BL, visto que a ocorrência de problema em apenas um dos cofres de carga poderia comprometer o trânsito de todos os demais.


PRAZOS MÉDIOS DO DESPACHO PARA TRÂNSITO

Se os documentos são entregues no período da manhã, o desembaraço ocorre, em média, no dia seguinte.

Se os documentos são entregues no período da tarde, deve-se computar um dia a mais para o desembaraço da mercadoria.

Tratando-se de DTA-S, o desembaraço ocorrerá até as 17 horas do dia subsequente ao da entrada da carga no recinto alfandegado.

Copyright © 2000 Guia do Transportador Rodoviário de Cargas. Todos os direitos reservados.
Tel: (11) 38854669 - Email: guiadotrc@guiadotrc.com.br
Alameda Lorena - CEP: 01402-002 - São Paulo - SP