QUEM SOMOS
LEGISLAÇÃO
PRODUTOS A VENDA
SERVIÇOS
  - Resoluções do Contran
  - Portarias do Denatran
  - RNTRC - ANTT
  - Vale Pedágio
  - Legislação do TRC
  - Transporte de Cargas Especiais
  - Transporte de Cargas Perigosas
  - Trânsito de CVC's (rodotrem)
  - Transporte de Toras
  - Transporte de Produtos Perecíveis
  - Transporte de Produtos Controlados
  - Transporte de Contêineres
  - Transporte Internacional
  - Transporte de Veículos 0 KM
  - Trânsito Aduaneiro - EADI's
  - Veículo com dimensões excedentes
  - Seguros Obrigatórios
  - Livros de logística e transporte
  - VídeoCursos
  - Software para Obtenção de AET
  - Software de Custeio de Frete
  - Revista Mundo Logística
  - Revista Crane Brasil
 - Conteúdo do Portal
 - Notícias e Clipping
 - Central de Tabelas de Frete
 - Cursos e Treinamentos
 - Cursos In Company
 - Dimensionamento de Frotas
 - AET para cargas de projeto
 - Viabilização de cargas de projeto
 - Consultoria para obtenção de AET
 - Estudos de Rigging
 - Consultoria fiscal e contábil
 - Desenvolvimento de Softwares
 - Fale Conosco

Menu...
CENTRAL DE TABELAS DE FRETES
Tabelas Referenciais de Frete
Indicadores - INCT
Frete Peso
Frete Valor
Taxas e Generalidades
Diárias
CAMINHÃO & TRANSPORTE
Requisitos para o T.R.C. no Brasil
Legislação do T.R.C.
Cargas que precisam AET
Índice remissivo do Código Antigo
Artigos do CTB referentes ao TRC
Resoluções Contran Aplicáveis
Pesos e Dimensões Máximas
Pesagem & Tolerâncias
Incorporação da Tolerância
O que é VUC e VLC
Peso e Capacidade dos Caminhões
Peso dos Caminhões - DNIT
Peso dos Caminhões - DER/SP
Entenda o que é CRLV
Classe dos Veículos de Carga
Veículo de Carga _ Terminologia
Especializações e Tipos de Carga
Documentos Obrigatórios
Equipamentos Obrigatórios
Restrições Operacionais
Siglas nos Caminhões
Caminhões Fabricados no Brasil
IMPOSTOS SOBRE O TRANSPORTE
ICMS no Estado de São Paulo
IR; PIS; COFINS; CSLL
Retenções Frete Carreteiro
O que é melhor para o carreteiro: PJ ou PF
Encargos Sociais no TRC
Documentos Fiscais no TRC
Procedimentos fiscais
PEDÁGIOS
Tarifas de Pedágio em São Paulo
Calcule o Gasto com Pedágio
Números da Concessão no Brasil
Evolução das Tarifas de Pedágio
Vale-Pedágio
Tarifas de Pedágio na Argentina
Tarifas de Pedágio no Uruguai
Tarifas de Pedágio no Chile
INFRAÇÃO DOS CAMINHÕES
Por Excesso de Peso
Por Excesso de Fumaça
Com CMT inferior ao PBTC
Falta de Documentação
Falta de Equipamento Obrigatório
Problemas com Tacógrafo
Por falta de porte de AET
Como Recorrer de uma Multa
CAMINHÕES NO MERCOSUL
Pesos e Dimensões na Argentina
Cargas Especiais na Argentina
Req. trânsito de caminhões
O que é ITV
Empresas Credenciadas - CITV
CRT/MIC/DTA
Resolução GMC nº 75/1997
Instrução DPRF nº 12/2002
Deliberação 35 do Contran
Portaria DENATRAN/DPRF Nº 47
CAMINHÕES EM SÃO PAULO
Restrições aos Caminhões - Brasil
Restrição aos Caminhões em SP
Carga e Descarga
Cargas Perigosas
Legislação das Caçambas
Legislação do Motofrete
PRODUTOS PERIGOSOS
Guia do transporte de P.P.
O que é produto perigoso
Legislação - Competência
Normas da ABNT Exigidas
Licenças, Registros e AET's
Despachantes especializados
Documentos necessários
O que é Número de Risco
Classificação de Risco
Sinalização dos Veículos
Tab. de Produtos Perigosos
Tipos de Infração
Transp. de Resíduos Sólidos
Produtos Nucleares
NR-6 - EPI's
Estatística de Acidentes
Perguntas mais Frequentes
TRANSPORTE MULTIMODAL
O que é Multimodalidade
Legislação do OTM
Entraves ao OTM no Brasil
Registro de OTM
Emp. habilitadas como OTM
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA
Cargas Indivisíveis e Excedentes
Transporte de Produtos Perigosos
Transporte cargas internacionais
Transporte de Toras
Transporte de cargas perecíveis
Transporte Produtos Controlados
Transporte Produtos Siderúrgicos
Transporte de Veículos
Caminhões Excedentes
Trânsito Aduaneiro
Estatísticas sobre Transporte
ESTATÍSTICA E DADOS DO TRC
Resumo estatístico transportes
Indicadores do Transp. Rodoviário
Indicadores do Transp. Ferroviário
O Brasil sobre rodas - Rev. Exame
Números do Transp. de Cargas
Ranking Transportadoras
Ranking Locadoras de Guindastes
Ranking Operadores Logísticos
Ranking Corretoras e Seguradoras
Prêmio melhores Transportadoras
Prêmio melhores Operadores
Custos Logísticos no Brasil
Frota de Caminhões - RNTRC
Frota de Caminhões - Denatran
Frota de Transporte
Perdas com Acidentes de Trânsito
Perfil de Venda de Caminhões
Indústria de Pneus
Infra-estrutura de transportes
Perfil do TRC
Matriz do Transporte de Cargas
Roubo de Cargas
Impacto do estado das rodovias
Competitividade global da infraestrutura brasileira
Estatísticas do transporte brasileiro
Transporte Rodoviário: toneladas/kilômetro transportadas por terceiros entre estados
Cargas mais movimentadas








Requisitos para a circulação de "cegonhas"e transporte de veículos e cargas paletizadas


Conforme Resolução nº 305 de 06 de março de 2009 (alterada pela Deliberação CONTRAN 92/2010), confira abaixo os requisitos para circulação de Combinações para Transporte de Veículos – CTV e Combinações de Transporte de Veículos e Cargas Paletizadas – CTVP.

Trânsito mediante obtenção de AET

De acordo com o § 3º do Art. 1º da Resolução 305/09 ficam dispensadas do porte de Autorização Especial de Trânsito – AET as Combinações de Transporte de Veículos – CTV e as Combinações de Transporte de Veículos e Cargas Paletizadas – CTVP com as seguintes dimensões e pesos:

I – até 4,70m de altura, podendo ser admitida, a critério dos órgãos executivos rodoviários, a altura máxima do conjunto carregado de 4,95 (quatro metros e noventa e cinco centímetros) para configuração que transite exclusivamente em rota específica;

II - largura - 2,60 m (dois metros e sessenta centímetros); ou 3,0 m (três metros) quando se tratar de CTV ou CTVPCP destinada ao transporte de ônibus, chassis de ônibus e de caminhões;

III - comprimentos – medido do pára-choque dianteiro à extremidade posterior (plano inferior e superior) da carroceria do veículo:

a) - veículos simples - 14,00 m (quatorze metros);

b) - veículos articulados até - 22,40 m (vinte e dois metros e quarenta centímetros), desde que a distância em entre os eixos extremos não ultrapasse a 17,47m (dezessete metros e quarenta e sete centímetros);

c) veículo com reboque - até 22,40m ( vinte e dois metros e quarenta centímetros);

IV - os limites legais de Peso Bruto Total Combinado - PBTC e Peso por Eixo previstos na Resolução nº 210/2006 - CONTRAN;

Nota: Tanto a estrutura de apoio quanto o veículo transportado sobre a cabine não poderão ultrapassar o ponto mais avançado do pára choque dianteiro do veículo trator.

Documentação para requisição da AET

requerimento em três vias, indicando nome e endereço do proprietário, devidamente assinado por responsável ou representante credenciado do proprietário;

cópia do Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo - CRLV;

memória de cálculo comprobatório da estabilidade do equipamento com carga considerando a ação do vento, firmada por engenheiro que se responsabilizará pelas condições de estabilidade e segurança operacional do veículo;

planta dimensional da combinação, na escala 1:50, com o equipamento carregado nas condições mais desfavoráveis indicando:

a) dimensões;

b) distância entre eixos e comprimento dos balanços dianteiro e traseiro;

distribuição de peso por eixo;

vias por onde transitarão;

apresentação comprobatória de aptidão da vistoria efetuada pelo órgão executivo rodoviário da União.

Horários permitidos para circulação

Do amanhecer ao pôr do sol, sem restrições;

Diuturno para combinações com no máximo 19,80m de comprimento;

Noturno:

>>> Nas pistas simples, excepcionalmente para os veículos quando vazios ou apenas com carga na plataforma inferior e

>>> Nas vias com pista dupla e duplo sentido de circulação, sem restrições;

Outros a critério do órgão com jurisdição sobre a via.

Validade da AET

Prazo máximo de 1 ano.

Vistoria técnica

A AET somente será concedida após vistoria técnica da Combinação para Transporte de Veículos - CTV expedida pelo órgão executivo rodoviário da União, que fornecerá o cadastro aos órgãos e entidades executivas rodoviárias dos Estados, DF e Municípios.

Renovação da AET

Para renovação da Autorização Especial de Trânsito - AET, a vistoria técnica, poderá ser substituída por um Laudo Técnico apresentado pelo engenheiro responsável pelo projeto da Combinação para Transporte de Veículos - CTV, que emitirá declaração junto com o proprietário do veículo, atestando que a composição não teve suas características e especificações técnicas modificadas, e que a operação se desenvolve dentro das condições estabelecidas.

Isenção da AET

São dispensados da Autorização Especial de Trânsito - AET as combinações que atendam as dimensões máximas fixadas pela Resolução no 210/06-CONTRAN.

Anexo I - confira aqui

Anexo II - confira aqui

Anexo III - confira abaixo:

Cálculo da Capacidade de Rampa:

Ft Rr

I = ----------- - --------

10xG 10

i = Rampa máxima em %;

G = Peso bruto total combinado (t);

Rr = Resistência ao rolamento (kgf/ton);

Ft = Força de tração cm kgf determinada da seguinte forma:

Tm x i c x i d x 0, 9

Fr =-----------------------------

Rd

Fad = P x u

Se Fr <.Fad è Ft = Fr

Se Fr > Fad è Ft = Fad

Sendo:

Fr = Força na roda (kgf):

TM = Toque máximo do motor (kgf x m);

ic = Maior relação de redução da caixa de câmbio;

id = Relação de redução no eixo traseiro (total),

Rd = Raio dinâmico do pneu do eixo de tração (m);

Fad = Força de aderência (kgf),

P = Somatório dos pesos incidentes nos eixos de tração (kgf);

u = Coeficiente de atrito pneus x solo.


Anexo IV - confira aqui

Anexo V - confira aqui