QUEM SOMOS
LEGISLAÇÃO
PRODUTOS A VENDA
SERVIÇOS
  - Resoluções do Contran
  - Portarias do Denatran
  - Legislação do RNTRC - ANTT
  - Legislação do Vale Pedágio
  - Legislação do TRC
  - Legislação Cargas Especiais
  - Legislação Cargas Perigosas
  - Legislação Transporte de Toras
  - Legislação Produtos Perecíveis
  - Legislação Produtos Controlados
  - Legislação Contêineres
  - Legislação Transporte Internacional
  - Legislação Veículos OK
  - Dimensões Excedentes
  - Livros de logística e transporte
  - VídeoCursos
  - Software para obtenção de AET
  - Software de Custeio de Frete
  - Revista Mundo Logística
  - Revista Crane Brasil
 - Central de Notícias
 - Central de Tabelas de Frete
 - Cursos In Company
 - Dimensionamento de Frotas
 - AET para cargas de projeto
 - Viabilização de cargas de projeto
 - Consultoria para obtenção de AET
 - Estudos de Rigging
 - Consultoria fiscal e contábil
 - Desenvolvimento de Softwares

Welcome to Adobe GoLive 6
Conteúdo...
PLAN. CUSTOS OPERACIONAIS
Caminhões Semi-Leves
Caminhões Leves
Caminhões Médios
Caminhões Semi-Pesados
Caminhões Pesados
Semi-reboques
Empilhadeiras
Motos
Autos 2 anos
Picapes
Furgões
TABELAS DE FRETE - EMPRESA
Cargas Líquidas
Cargas Frigorificadas
Carga Comum - Lotação
Carga Comum - Tonelada
Carga Seca Fracionada
Conteiner
TABELAS DE FRETE - CARRETEIRO
Carga - Lotação
Carga - Tonelada
TRANSPORTE DE PASSAGEIROS
Ônibus Urbanos
Ônibus Rodoviários
Utilitários Passageiros
Taxi
Passagem (tarifa) Intermunicipal
Passagem (tarifa) Urbana
Locação de Automóveis (mensal)
Locação de Automóveis (eventual)
Preço de Ônibus Fretado
Preço de Ônibus de Turismo
Perua Escolar
PREÇO DOS PRINCIPAIS INSUMOS
Caminhões Novos & Usados
Combustíveis
Preço de combustível por UF
Ranking de preços por UF
Histórico da variação de preços
Pneus
Lubrificantes
Lavagem
Pisos Salariais
Pedágios
Custos com Rastreamento
INDICADORES DO TRANSPORTE
ICOVER/RLV
INCT/DECOPE-NTC
Indice de Desempenho do Transporte
CONTEÚDO TÉCNICO
Como usar as planilhas operacionais
Metodologia de apuração de custos
Parâmetros de cálculo das planilhas
Fórmulas de cálculo dos custos fixos e variáveis
Fórmula FIPE de apuração de custos
O que é Frete Peso?
O que é Frete Valor?
O que é Taxa de Despacho?
O que é GRIS?
O que é TAS?
Cubagem: o que é e como se calcula
Impacto do retorno vazio sobre o frete
Fórmula de cálculo do impacto do retorno vazio sobre o frete
Generalidades do transporte
O que é SEC/CAT
Uso das Tabelas de Frete
Indicadores de custos do transporte
Cobrança de Estadia (Lei 11.442)
Planilha de custo de armazenagem
Distância entre Cidades
Distância e rotas no estado de SP
Artigos
Evolução das tarifas de pedágio
Custos no transporte de carga
Conceito prático de cálculo de frete
PRODUTOS E SERVIÇOS
Cursos
VideoCursos
Softwares de cálculo de frete
Consultoria
Elaboração de tabelas de preço
Construção de Tabelas Específicas
Livros


Impacto do retorno vazio sobre os fretes rodoviários

Se considerarmos:

rr = índice  das viagens  de retorno carregadas (já dividido por 100, ou seja, se houver 45%

de retornos vazios, r será 0,45)

De cada 2 viagens, apenas (1 + r) são pagas pelos clientes.

O fator de agravação   do custo será:

f = 2/(1 + r)

O custo de transferência por viagem carregada será:

CT = f [(CF/n) + Cvp]

CT = [2/(1 + r)][(CF/n) + Cvp]

Tempo de carga e descarga na ida = 0,5nTcd

Tempo de carga e descarga na volta = 0,5nrTcd

Tempo médio de carga e descarga = 0,5Tcd(1 + r)

Se r = 0, vem TMCD = 0,5Tcd    Se r =1, vem TMCD = Tcd

Número de viagens = n = H/{[0,5Tcd (1 + r)] + p/V}

CT = {[2/(1 + r)].CF.H/{[0,5Tcd(1 + r)] + p/V} + Cvp}(1/CAP)

CT ={[CF.Tcd/(H.CAP)] +  [2/(1 + r)][CF/(TcdV.CAP) + Cv/CAP]p}(1/CAP)

CT=  A + [2/(1 + r)]B

FP =  {A + [2/(1 + r)] Bp + DAT}(1 + L/100)

A ociosidade agrava apenas o custo rodoviário, não alterando os custos de carga e descarga e nem o DAT. A única correção a ser feita nas fórmulas, portanto, consiste em multiplicar o custo rodoviário por t.km (B) pelo fator:

f = 2/(1 + r)

r = índice das viagens de retorno com o veículo carregado.

Se r = 0 (todas as viagens de retorno vazias), f = 2, ou seja, dobra-se o custo rodoviário, devido à duplicação do percurso. Se r = 1 (todas as viagens de retorno carregadas, f = 1, ou seja, não haverá alteração no valor de B. Assim, o modelo generalizado contém, como caso particular, o modelo usual da NTC/Fipe

Fonte: Apostila de Neuto Gonçalves dos Reis

Voltar